• face
  • twitter
  • in

O que o Brasil está vivendo é inédito na Terceira República, iniciada com a Constituição de 1988. Ameaças ostensivas à democracia feitas e orquestradas pelo presidente da República. Manifestações políticas de militares da reserva e da ativa. Ministros do Supremo Tribunal Federal e do TSE se vendo compelidos a defender diariamente o estado democrático de direito e o processo eleitoral contra investidas nitidamente desestabilizadoras e golpistas. O presidente do Senado recorrentemente se pronunciando sobre a necessidade de que se observem os preceitos democráticos e se preservem os elementos fundacionais do estado democrático de direito. Ameaças e riscos do tipo que nós estamos vendo hoje à democracia brasileira só ocorreram no período prévio ao golpe de 1964.

Foi por estas razões que um grupo de acadêmicos ligados a departamentos de ciência política, especialistas, intelectuais públicos com notória atividade no campo da análise política e juristas, reunidos pelo Observatório para Monitoramento das Eleições, Demos fez representação ao Relator Especial das Nações Unidas para a Independência de Juízes e Advogados — setor da ONU que cuida exatamente da independência do judiciário e do processo — solicitando uma visita formal de observação ao Brasil para produzir relatório sobre as ameaças à democracia, ao Judiciário e ao processo eleitoral.

Nessa queixa, o que o Observatório para Monitoramento das Eleições, o Demos, diz que o sistema judicial brasileiro está sob ataque. O Brasil tem um sistema de justiça eleitoral independente, autônomo, separado do sistema de provimento de justiça comum. E está sob ataque do próprio presidente da República. É uma clara e concreta ameaça à credibilidade das eleições. Está evidente que, por trás desses ataques, há um plano de Bolsonaro para, no caso muito provável de sua derrota em outubro, considerar as eleições fraudadas e tentar anulá-las. Há fundadas razões para se acautelar

Ninguém sabe qual ao certo a quantidade de apoio militar que o Bolsonaro tem. Mas está claro que tem este apoio inclusive entre oficiais da ativa. As movimentações políticas de generais recém-saídos do serviço ativo e com conexões conhecidas com colegas em comando de tropa nunca foram tão intensas e ostensivas desde as preparações para o golpe de 1964. Até mesmo institutos de estudos militares produzindo planos políticos para serem executados até 2035 apareceram, fazendo lembrar a experiência do sistema IPES/IBAD criado por militares e setores da elite civil na articulação para o golpe.

As anomalias político-institucionais em série que têm sido identificadas por numerosos analistas e pesquisadores levaram à mobilização da academia e da intelectualidade para acompanhar e denunciar essas manobras irregulares e inconstitucionais e apoiar as poucas instituições de freios e contrapesos que ainda reagem. Essa foi exatamente a intenção do Observatório nesse pedido ao relator especial da ONU. Uma missão que verifique as condições em que estão sendo feitas as eleições e que dê mais visibilidade global, ao processo no Brasil.

Em pronunciamento recente, o ministro Edson Fachin, presidente do Superior Tribunal Eleitoral, afirmou que as eleições devem ser e serão realizadas sob controle do poder desarmado. Exatamente porque a justiça eleitoral e as instituições democráticas em seu conjunto constituem um poder desarmado que ações como estad o Demos são necessárias e relevantes. A única forma de um poder desarmado se defender e evitar a intervenção ilegal e autoritária do poder armado — as forças armadas — é buscando inibi-la por meios legais e legítimos. Buscar aumentar o número de observadores internacionais com autoridade pública ou com expertise acadêmica e jurídica é um meio fundamental para promover esta inibição de abusos e tentativas golpistas.

Não se espera que a ONU tenha poder de sanção, um poder efetivo. Mas ela tem um pode moral e tem a capacidade de dar visibilidade global, de alertar a imprensa mundial para o que está acontecendo no Brasil. Há consciência de que se trata de um poder moral e não jurisdicional. É o que chamamos de soft power, porém, ele pode constranger, tornar absolutamente visíveis as más intenções do governante e seu aliados, ajudando a inibir suas ações antidemocráticas. Quanto mais observadores internacionais, maior a eficácia deste soft power e é exatamete por isto que Bolsonaro está vetando a vinda de observadores oficialmente convidados.

A necessidade de buscar ampliar a visibilidade mundial do que se passa no Brasil se deve, também, ao fato de que o ataque de Bolsonaro às instituições começou no seu primeiro ano de mandato. Como outros autocratas em vários países, ele vem solapando, debilitando e neutralizando as instituições que fazem parte do sistema de freios e contrapesos, de salvaguardas da democracia.

O ataque às instituições vem do início do governo, em vários casos com sucesso, limitando a capacidade de impor sanções a atos ilegais do presidente. O desmonte das instituições que implementam a promessa da democracia de proteção aos direitos humanos, proteção aos interesses difusos de minorias como as populações indígenas, de proteção ao meio ambiente e geração de bem-estar, serve ao propósito de desacreditar e deslegitimar a democracia.

A Procuradoria Geral da República foi capturada pelo Bolsonaro, ao nomear para procurador geral, Augusto Aras, nome sem legitimidade e do braço em extinção da carreira que segue regras distintas. Aras entrou pela porta dos fundos, atropelando a lista tríplice votada pelo ministério público.

A cúpula da Câmara dos Deputados foi cooptada por Bolsonaro, por meio do orçamento secreto, controlado por Arthur Lira, presidente da Mesa. Lira acaba de afastar o deputado Marcelo Ramos (PSD-AM) da vice-presidência, por ordem de Bolsonaro, usando uma manobra regimental, por lhe fazer oposição.

O senado brasileiro tem atuado com certa timidez, porém positivamente. Seu presidente, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) tem participaçao residual no manejo do orçamento secreto, mas é apoiado por uma coalizão mais plural do que a que elegeu Lira. Após a remoção do seu correlligionário de partido da Mesa da Câmara, Pacheco voltou a defender a democracia e chamou atenção para a inviolabilidade também do direito de fazer oposição ao governo. Vivemos este tempo anômalo, em que o óbvio precisa ser repetido com pompa e circunstância.

A maior parte da ativação das salvaguardas democráticas ficou concentrada no Judiciário. É por isso que Bolsonaro ataca sistematicamente o Judiciário e seus ministros. Porque tem sido o braço do sistema de freios e contrapesos que tem sido provocado repetidamente para atuar e o que atua com mais desenvoltura e autonomia. É, portanto o maior obstáculo aos propósitos de Bolsonaro.

O sistema eleitoral brasileiro está sob ataque de Bolsonaro porque é um sistema muito legítimo, seguro e rápido. Características que servem para evitar manobras e manipulações como a de Donald Trump diante de sua derrota para Joe Biden, nos Estados Unidos. É exatamente isso que Bolsonaro está tentando desacreditar. Este sistema deixará clara sua derrota poucas horas após o fechamento das urnas. Bolsonaro quer voltar a um sistema que era vunerável a fraudes, de contagem demorada, totalizações lentas. Um sistema que aumenta sua posição desfavorável nas eleições.

Há, por causa disto, o risco concreto de que Bolsonaro precipite suas intenções golpistas para antes das eleições, para evitar que sua derrota se revele. Não é que haverá um golpe no dia D e na hora H, como gostam de dizer os militares. O golpe está na rua, ele está em curso. Não é um golpe militar ainda. Pode vir a ser, pode não ser. Basta que Bolsonaro possa, sem consequências, continuar a desobedecer a Constituição e passar a desconsiderar as ordens judiciais para ele se consolidar como autocrata. Já aconteceu com muitas democracias para que se possa imaginar que não há possibilidade de acontecer no Brasil.

(Agradeço o apoio de Afonso Borges e de sua equipe no Mondo Livro na produção deste artigo, baseado na entrevista que dei sobre o assunto para o Headline.) 

Pin It

Mais recentes

22 Jul 2021
21 Jul 2021
09 Jul 2021
24 Jun 2021
18 Jun 2021
07 Nov 2020
24 Fev 2020
29 Out 2019
20 Ago 2019
24 Out 2017
28 Nov 2016
04 Mar 2016

Mais Artigos

Back to Top