• face
  • twitter
  • in

No mesmo momento em que as delegações da Rússia e da Ucrânia se encontravam em Belarus para negociar, as forças russas continuavam o bombardeio e o avanço das tropas. Embora não tenham assumido o controle de nenhuma cidade importante, as tropas russas estão cercando as principais delas e aumentam a violência dos ataques. É bem provável que Putin tenha ajustado a estratégia de ação militar à surpresa com a capacidade de resistência ucraniana. Neste caso, teria substituído a estratégia de ocupação imediata por uma estratégia de controle do espaço aéreo e cerco das principais cidades, com bombardeios sistemáticos que buscam enfraquecer física, militar e psicologicamente população e governo.

Esta estratégia, porém, torna a Rússia mais vulnerável às sanções econômicas do Ocidente. A estratégia de cercamento é mais demorada e mais custosa. E Putin não tem tempo. Se demorar a resolver o que iniciou, será asfixiado financeiramente, perderá apoio doméstico e terá que desistir. Por isso, é provável que recrudesça os ataques nas próximas 48 horas.

É impossível saber qual o plano final de Putin. Ele tem mentalidade impulsiva e é capaz de adotar uma estratégia do tipo tudo ou nada, sem medir riscos, custos e consequências de toda natureza. Volto a dizer, Putin não tem barreiras morais, nem éticas. Não tem empatia. É um autocrata, autoconfiante e autocentrado. Falar em isolamento de Putin é quase o mesmo que falar na sua opção de vida e política. Ele sempre se isolou, tem um grupo diminuto de auxiliares que ouve, entre eles alguns dos oligarcas agora atingidos pelas sanções ocidentais. Tem uma mente inflexível, cabeça-dura, constrói sua própria versão da realidade. Como Trump e Bolsonaro. Daí, talvez, a admiração recíproca. Sob pressão, o mais provável é que escale a agressão a um ponto indesejável por toda a humanidade.

A situação da Ucrânia continua desesperadora. A ajuda militar em equipamentos de guerra, armas e munições vai com o alerta de que os ucranianos estão por conta própria. O Ocidente dará armamento, dinheiro, abrigo aos refugiados, mas não mandará tropas para compensar o desequilíbrio de potência militar entre o invasor e o invadido.

Estamos vivendo uma situação sem precedentes. A invasão por uma potência nuclear de um grande país na Europa esteve equivocadamente fora dos cenários de risco dos governos ocidentais. As sanções adotadas contra a agressão russa também quebraram padrões, tanto por sua radicalidade, quanto pelo grau e rapidez do consenso construído entre a União Europeia, o Reino Unido e os Estados Unidos. A Alemanha investe em segurança militar e envia armas à Ucrânia. Quebrou um dogma pelo desarmamento, cristalizado no após Segunda Guerra. A Suiça quebrou pela primeira vez sua neutralidade e as garantias de seu sistema bancário, aderindo às sanções financeiras. As nações da Escandinávia também romperam com sua neutralidade. Ninguém tem informações e recursos de controle suficientes para lidar com ineditismos. É uma situação de ensaio e erro.

Rússia e Ocidente moveram-se para um novo impasse. O Ocidente espera que o isolamento financeiro e econômico radical da Rússia a debilite rapidamente, impedindo-a de financiar a guerra e gerando uma crise interna suficientemente aguda que retire o apoio da oligarquia econômica e do povo a Putin. Putin aposta em sua capacidade de aprisionar o povo ucraniano e derrubar seu governo, antes que as sanções paralisem a economia russa. Desta forma, criaria uma situação humanitária insustentável, que forçaria o Ocidente a negociar os termos da libertação da Ucrânia. Ao mesmo tempo, o temor de uma escalada nuclear do conflito já está na pauta de riscos das autoridades ocidentais e traça uma linha que não pode ser ultrapassada.

Em síntese, Rússia e Ocidente estão escalando. A unidade do Ocidente em torno das sanções e a radicalidade inédita das medidas de isolamento russo parecem gerar a confiança de que será vitorioso. É provável, mas no médio para o longo prazo. Putin sabe que a Ucrânia não tem condições de derrotar suas tropas. Deve escalar o ataque. Com esta atitude de parte a parte, a guerra não tem solução. O impasse leva a um desastre impensável. A única saída é o Ocidente deixar claro que as sanções são uma forma de pressão forte, para forçar a Rússia a negociar. Se o Ocidente não criar condições de uma saída negociada, o cenário para a guerra é catastrófico e aumenta o risco para além do que se imaginou possível no século XXI.

O ataque brutal à Ucrânia, independente do seu desfecho, marca um ponto de virada na arquitetura global, que vive um momento de desequilíbrios sucessivos por causa das vertiginosas mudanças estruturais em curso com a globalização, a revolução digital e científica. A obsolescência das instituições criadas no após-guerra para assegurar a paz e garantir a estabilidade ficou evidente. Essas instituições vinham desmoronando há muito tempo, desde talvez o fim do sistema de Bretton Woods, no final da década de 1970, início da de 1980. A ONU e seu Conselho de Segurança, que já davam sinais repetidos de inocuidade, estão completamente desmoralizados.

A ordem global já não é a mesma hoje e será muito diferente amanhã. Abriu-se uma vereda rumo a um novo padrão para a globalização. O esgotamento deste ciclo da globalização já havia ficado claro com a disrupção de cadeias de suprimento no desastre nuclear de Fukushima e, mais gravemente, com o fechamento das atividades econômicas na pandemia. Agora, a criação de um eixo China-Rússia, que as sanções ocidentais tendem a fortalecer, é mais uma clareira à frente nesta vereda. A Rússia precisa da China desesperadamente e a China só tem a ganhar porque se beneficia com a parceria, reforça a ideia de respeito às regiões de influência, e não perde nas suas relações econômicas com o Ocidente.

O fim da "Pax Americana" — o equilíbrio global mantido por uma potência hegemônica, após o colapso da União Soviética — deixou a multipolaridade como única possibilidade para o necessário equilíbrio político entre as nações, no contexto da globalização econômico-financeira e da sociedade digital cosmopolitizada. Mas, a multipolaridade exige realismo e tolerância de todas as partes. Ela requer o reconhecimento por todas as potências das zonas de influência de cada uma. Exige que cada uma delas cuide de manter a estabilidade nos países de sua área e conter agressões a países das outras áreas de influência. Requer, também, o fortalecimento de potências intermediárias em cada uma das regiões, para auxiliar a potência dominante, portanto uma rede de relações de dependência. É um arranjo mais instável e mais conflituoso.

Se o Ocidente não oferecer uma opção clara de saída negociada a Putin, a escalada da guerra me parece inevitável e pode haver um genocídio na Ucrânia. A China está se oferecendo para mediar essa negociação. É de seu interesse. Projeta-se como potência diplomática global se tiver sucesso. Se o Ocidente recusar, será uma grande insensatez. A Rússia depende da China no momento e Putin não teria como recusar. Estamos diante de um rascunho da nova ordem global, que pode se tornar o desenho real muito em breve.

Do ponto de vista moral, da justiça, da liberdade e da autonomia dos povos, nem a hegemonia anterior, nem a multipolaridade são arranjos desejáveis. A alternativa à qual me alinho, o cosmopolitanismo, é ainda utópica, dado que não tem condições reais ainda de consolidação. Implicaria o abandono dos nacionalismos e uma radical redefinição da ideia de estado-nação. Na transição que vivemos, o único arranjo viável é um equilíbrio multipolar, ao qual os EUA resistem.

Pin It

Mais recentes

22 Jul 2021
21 Jul 2021
09 Jul 2021
24 Jun 2021
18 Jun 2021
07 Nov 2020
24 Fev 2020
29 Out 2019
20 Ago 2019
24 Out 2017
28 Nov 2016
04 Mar 2016

Mais Artigos

Back to Top