• face
  • twitter
  • in

Acaba de ser anunciada a nova coalizão de governo na Alemanha, que permitirá ao social-democrata Olaf Scholz suceder a chanceler Angela Merkel, de quem foi ministro das Finanças por quatro anos. Merkel encerra esta semana 16 anos de governo, aclamada como grande líder europeia e global e exímia negociadora. Não é pouco para uma política conservadora saída da Alemanha Oriental, física de formação, diplomada pela universidade Karl Marx. Iniciou sua exitosa carreira no período chamado "despertar da democracia", com a queda do Muro de Berlim. Despontou como porta-voz do governo do cristão-democrata Lothar de Maizière da Alemanha Oriental, único eleito pelo voto democrático em eleições multipartidárias, na Alemanha Oriental. Tornou-se a primeira mulher a ocupar o posto de chanceler e ter o segundo governo mais longevo da Alemanha do após-guerra. Ao passar a chancelaria, Merkel terá ficado no poder os mesmos 16 anos de Helmut Kohl (1982-1998), até hoje o mais longevo dos chanceleres alemães.

A Alemanha desenvolveu uma singular capacidade política no após-guerra, de reinterpretar o princípio de Lampeduza, "tudo precisa mudar para que permaneça o mesmo". Merkel foi o ícone contemporâneo dessa tradição política. As lideranças políticas alemãs se tornaram especialistas em harmonizar continuidade e mudança, assegurando, desta forma, notável estabilidade política e a possibilidade de governos duráveis. Essa sucessão é exemplar, neste sentido, sai um governo de centro-direita, entra um governo de centro-esquerda, mas o próprio Scholz se torna um instrumento da continuidade entre os dois. Seus parceiros na coalizão, o partido Verde e o FDP, principalmente os Verdes, cuidarão de promover a mudança.

A filosofa Susan Neiman publicou um livro em 2019, com o título Aprendendo com os alemães, no qual relata sua mudança para a Alemanha para entender como a sociedade do país aderiu a Hitler e como superou o trauma do nazismo. Neiman se dedicou a estudar o papel do mal na política, algo que, durante um bom tempo, somente Hannah Arendt se dispôs a fazer. Susan Neiman estava interessada, em particular, no processo muito alemão denominado Vergangenheitsaufarbeitung, em português seria algo como passando o passado a limpo. Ela observou de perto como os alemães ajustaram suas contas com a história criminosa em que embarcaram nos doze anos entre 1933-1945. Algo que nunca fizemos em relação aos crimes da ditadura.

Nesse período de reencontro consigo e exorcismo do mal que a havia acometido, a sociedade alemã desenvolveu uma política democrática, marcada por uma síntese local entre mudança e continuidade e de convivência tolerante entre adversários, muitas vezes unidos em grandes coalizões. A Alemanha se acostumou aos governos de coalizão e desenvolveu uma rara capacidade de negociação para formar maiorias parlamentares. Daí, a longevidade de seus governantes mais bem sucedidos, como Adenauer, Kohl e Merkel.

Na reconstrução, a mudança foi mais intensa, mas não a ponto de romper a continuidade, sobretudo de resgate do legado da República de Weimar, esmagada com a chegada de Hitler ao poder, que experimentou a primeira grande coalizão, entre partidos rivais, de 1919 a 1933, quando os social-democratas se aliaram a dois partidos liberais e ao então influente partido católico conservador.

Nos momentos iniciais, a redemocratização foi conduzida por uma coalizão conservadora, entre partidos afins, e longeva, liderada por Konrad Adenauer, que permaneceu oito anos no poder, de 1949 a 1957. Em 1966, com a queda de Ludwig Erhard, a maioria só foi possível mediante uma grande coalizão entre os liberal-conservadores da CDU-CSU, a mesma união de Angela Merkel, com o SDP social-democrata, com Kurt Kiesinger como chanceler. A negociação foi conduzida por Kiesinger, pelos conservadores, e Willy Brand pelos social-democratas. Angela Merkel recorreu duas vezes a grandes coalizões com o SDP, inclusive a que apoiou seu último período como chanceler. Agora, o SDP encabeça uma coalizão com os Verdes, com os quais tem muitas proximidades, e com os liberal-demcratas, do FDP, com o qual Scholz compartilha a visão fiscal mais conservadora.

Foi uma negociação relativamente rápida e estritamente programática, embora dura em determinados momentos, que definiu com clareza a prioridade do novo governo: combater a pandemia, consenso geral; aumentar o salário mínimo, dogma social-democrático; acelerar a trajetória de abandono do carvão, simultaneamente expandindo a energia renovável para 80% da matriz até 2030, e legalizar a maconha, princípios essenciais do programa Verde; sem aumentar impostos, o dogma dos liberal-democratas. Os dois líderes verdes estarão nos ministérios-chave para uma política climática mais agressiva e ambiciosa. Robert Habeck ficou com o ministério da Economia e do Clima, e Annalena Baerbock, com Relações Exteriores, assumindo como a primeira mulher a ocupar o posto. O líder liberal, Christian Lindner, fará a gestão fiscal, no ministério das Finanças. Tudo detalhado em um documento de 117 páginas subscrito pelos três partidos.

O Brasil terá que aprender algumas lições com os alemães, porque precisará reconstituir seu sistema partidário, esfacelado nas últimas eleições, o que provocou a miniaturização das bancadas e comprometendo a governabilidade. Terá que reconstruir o presidencialismo de coalizão, em novas bases. A sociedade brasileira é irredutível a duas maiorias homogêneas. É desigual e diversa demais para isto. Sua heterogeneidade estrutural não é um traça "sanável", até porque não é uma patologia. É um elemento constitutivo de nossa estrutura social, em um território de grandes dimensões e diversidade. Patológicas e sanáveis são sa desigualdade e a pobreza. A coalizão é o imperativo político que nasce dessa estrutura social heterogênea.

As eleições de 2018 marcaram a ruptura do padrão de formação e governo e oposição, com uma disputa bipartidária pela presidência e outra multipartidária para capitalizar os partidos como parceiros de coalizões parlamentares de apoio e oposição ao governo. O PSDB enfrenta um risco terminal e não dá sinais de que será capaz de superá-lo em 2022. O PT corre o risco de caudilhização, se não abrir de forma real e consistente a renovação de lideranças no topo e a qualificação eleitoral de alternativas para levar adiante sua vocação para a disputa presidencial. O DEM, que agiu como pivô das coalizões de FHC, reconheceu sua própria falência, rendeu-se à direita amorfa do PSL e fundiu-se na União Brasil, que ainda terá que provar sua discutível viabilidade político-eleitoral. O MDB ficou anêmico e tem que buscar uma infusão de vigor novo para recuperar sua vocação parlamentar e se reapresentar como pivô de coalizões sustentáveis, como foi nos governos do PT. O PSD tem que crescer e se apresentar em 2022, para se firmar seja como partido capaz de substituir o PSDB no eixo da disputa presidencial, ou como possibilidade de atuar como pivô de coalizões de centro-direita, no lugar do DEM.

A reconstituição do sistema partidário, a recuperação da capacidade de coalizões, renovando o presidencialismode coalizão, são essenciais à revitalização da democracia no Brasil e à governabilidade estável. O principal instrumento que pode promover esse realinhamento partidário será a proibição das coalizões proporcionais, vitaminada pela cláusula de barreira. É a bala de prata para reduzir a hiperfragmentação partidária a um patamar que permita coalizões administráveis. Mas, liderança política e candidaturas eleitoralmente viáveis são indispensáveis a essa tarefa.

Seria um grande avanço se este processo seguisse a ideia de "reconstruir melhorando". As lideranças políticas dos vários partidos, particularmente os candidatos presidenciais e os parlamentares com assento praticamente dado nos colégios de líderes deveriam mirar no exemplo dos alemães. Aprender com eles a negociar coalizões firmes, com clareza das prioridades e fundadas na conciliação de princípios partidários que marcam a diferenciação entre as legendas. Seria um bônus para as gerações futuras, se passassem o passado a limpo, ajustando contas com o passado e o presente autoritários que tanto nos infelicitaram.

Pin It

Mais recentes

22 Jul 2021
21 Jul 2021
09 Jul 2021
24 Jun 2021
18 Jun 2021
07 Nov 2020
24 Fev 2020
29 Out 2019
20 Ago 2019
24 Out 2017
28 Nov 2016
04 Mar 2016

Mais Artigos

Back to Top