• face
  • twitter
  • in

A chegada de Ciro Nogueira (Progressistas-PI), uma das principais e mais notórias lideranças do centrão fisiológico ao Gabinete Civil, se for confirmada, pode parecer um movimento para fortalecer o governo politicamente. Mas, não passa de um bom marcador de sua degeneração. Bolsonaro mira a proteção do Congresso, onde o impeachment o ameaça na Câmara e os inquéritos, na CPI do Senado. De quebra espera receber um convite do PP, para disputar a reeleição. Bolsonaro está cada vez mais fraco e impopular. As pesquisas convergem para pintar o retrato de um presidente fracassado. Esbraveja o tempo todo ameaçando golpe, um sinal eloquente de que está convencido de que perderá a disputa de 2022.

Eu me lembro da época em que ele se jactava de que ganharia a reeleição no primeiro turno. Começou a tremer nas bases, quando viu a pandemia parar a economia. Por isso, tornou-se o último dos negacionistas. Foi, também, a primeira granada que ele próprio lançou contra sua busca da reeleição. Com o insucesso de seus planos genocidas para estancar a pandemia, ficou menos seguro. Voltou-se, então, contra o voto eletrônico. Agora, tenta uma jogada dupla, usar o centrão para conquistar a imunidade no Congresso e se reeleger. Ciro Nogueira só entra nesse barco à deriva, porque está acostumado a pular de um barco para outro, independemente de quem o comande.

Ao nomear o presidente do Progressistas, Bolsonaro abandonará totalmente a fantasia que confeccionaram para ele vestir na disputa presidencial. Ele tem se desnudado progressivamente, rasgando pelo caminho peça por peça da fantasia que encarnou a propaganda fake da campanha eleitoral.

A primeira peça a ser rasgada foi a máscara do combate à corrução. Demitiu Sérgio Moro, que já era apenas um frágil símbolo, muito desacreditado pela ida para o ministério e pela evidente politização do seu papel de magistrado.

Com a nomeação de Augusto Aras para a Procuradoria Geral da República, desmontou as forças-tarefa e amarrou o quanto pôde o ministério público.

Com a mexida no comando da Polícia Federal buscou dar um viés governista às investigações e operações. Terminou a cooperação orgânica entre o MP e a PF.

Os desvios de função dos ministros da Justiça André Mendonça e Anderson Torres serviram para, além de controlar a PF, politizar sua ação e produzir investigações contra adversários políticos do governo e críticos do presidente.

Outra peça importante, foi o abandono do discurso liberal, de austeridade fiscal e antiestatista, para adotar uma postura econômica que chamam de populista e eu prefiro denominar de demagógica. Aliás nada mais demagógico do que o discurso do ministro Paulo Guedes.

A peça de baixo do rasga-fantasia foi o abandono da "nova política" e das pautas temáticas como base de um bloco governista no Congresso. Em seguida, deu um passo a mais e formou tardiamente uma coalizão com partidos do centrão, todos envolvidos em corrupção e ícones da "velha política", um dos alvos da artilharia da campanha bolsonarista. Uma coalizão minoritária, é bom dizer.

Bolsonaro fecharia a temporada "nova política" da novela rasga-fantasia ao aninhar o centrão no Planalto. Nesse processo de "abertura" do palácio saíram primeiro os bolsonaristas de raiz. Agora saem os militares dos postos "sensíveis" e do controle da articulação política. Na pré-temporada, saiu o porta-voz militar, general Rego Barros, após o afastamento dos bolsonaristas de raiz da comunicação oficial. Na abertura oficial da temporada, sairia o último militar do Gabinete Civil e entraria, Ciro Nogueira o representante maior do centrão. Ele deixaria a tropa de choque governista na CPI da Covid para seguir direto para o cargo-chave no Palácio do Planalto.

Não parece faltar mais nada para Bolsonaro ficar nu, diante do eleitorado e cada vez mais distante do sonho da reeleição. Por suas ações, não tem muita chance de se reeleger. Sem partido, imagina que o PP seja sua melhor possibilidade. Mas, os partidos do centrão nunca elegeram o presidente da República. O desfecho da reeleição está é nas mãos da oposição. Ela pode derrotar Bolsonaro, ou ajudá-lo a se reeleger.

PS: Ao defender a nomeação de Ciro Nogueira para o Gabinete Civil, Bolsonaro disse que ele é centrão, passou toda a vida parlamentar em partidos desse bloco informal no Congresso. Foi a primeira vez em muito tempo que falou a verdade. Ao dizer que precisa dos 200 votos do centrão, porque há 150 parlamentares de esquerda, que jamais votariam com ele, e 150 "mais ou menos" independentes, mostrou um cálculo realista. Não é totalmente verdadeiro, mas corresponde, grosso modo, ao quadro parlamentar. Bolsonaro não só rasgou a fantasia como, aqui e ali, passou a falar a verdade em temas de sua conveniência.

Pin It

Mais recentes

22 Jul 2021
09 Jul 2021
24 Jun 2021
18 Jun 2021
07 Nov 2020
24 Fev 2020
29 Out 2019
20 Ago 2019
24 Out 2017
28 Nov 2016
04 Mar 2016

Mais Artigos

Back to Top