• face
  • twitter
  • in

Em períodos de normalidade institucional, o alinhamento de preferências dos chefes do Executivo e do Legislativo, apoiado em uma coalizão majoritária é condição necessária, embora não suficiente, e desejável para assegurar a governabilidade. Governabilidade aqui entendido como governança sustentada, a capacidade de aprovar e implementar as políticas públicas da agenda presidencial e da agenda de necessidades coletivas. Quando, porém a agenda presidencial não corresponde às preferências da maioria, não responde à necessidades estruturais para o bem-estar coletivo ou ameaça a própria democracia, este alinhamento se torna pernicioso e um risco potencial muito alto de erosão democrática.

Ao final de dois anos patéticos de desgoverno, imprudência e imperícia presidencial, de insistência obsessiva em uma agenda idiossincrática e contrária à normalidade democrática, está claro que não vivemos plena normalidade institucional. Os sinais de anormalidade são muitos: o desmanche da estrutura regulatória do meio ambiente e de proteção das populações indígenas, ambos em evidente contrariedade com a norma constitucional. A redução da autonomia do Ministério Público, por meio do controle da Procuradoria Geral da República por um procurador submisso à vontade presidencial, muito provavelmente no afã de conquistar a gratidão de Bolsonaro e cobiçada nomeação para o Supremo Tribunal Federal. O controle da Polícia Federal, por meio da Diretoria Geral. São todos exemplos eloquentes e quantificáveis de enfraquecimento de mecanismos essenciais de freios e contrapesos democráticos ao arbítrio presidencial.

A atitude de negação e omissão do Governo Federal constitui lesão flagrante dos quesitos constitucionais que estabelecem como responsabilidade e dever do Presidente da República e seus ministros a proteção da saúde e a observância do direito integral à saúde. Constituem, ademais, crimes de responsabilidade. A omissão de socorro, evidente na inércia do presidente e do ministro da Saúde no preparo e implementação do plano nacional de vacinação e no aparelhamento do SUS, em todo o território nacional, para que possa atender aos casos de Covid-19 que se multiplicam, é crime de acordo com o artigo 135 do Código Penal, passível de punição com a prisão em pena triplicada em caso de morte. O presidente não tem imunidade por crimes comuns cometidos no exercício do mandato. Muito pelo contrário. Em condições de normalidade constitucional, Bolsonaro já deveria estar respondendo a processo de impeachment por crime de responsabilidade, crime contra a administração pública e descumprimento recorrente de preceito constitucional. O general-ministro da Saúde também já deveria estar respondendo a processo de impeachment. Ambos deveriam também estar sendo processados por crime comum, de omissão de socorro. O fato de não haver reação institucional proporcional e compatível com a gravidade das ofensas à lei, à Constituição e à sociedade brasileira por parte de Bolsonaro e seus ministros também revela disfuncionalidade nos mecanismos de checks and balances, freios e contrapesos democráticos.

No momento, a única instituição que ainda impõe limites ao presidente e adota medidas para compensar seus erros e omissões é o Supremo Tribunal Federal. A mais recente medida neste sentido, foi a liminar do ministro Ricardo Lewandowski estendendo a validade de provisões das leis 13.979 e 14.035, até 31/12/21, para além do prazo de vigência do decreto presidencial reconhecendo estado de calamidade pública. Os artigos cuja validade foi estendida deverão ficar em vigor até que o Congresso os revogue. A decisão assegura o uso emergencial por estados e municípios de vacinas aprovadas pelas agências dos Estados Unidos, China, Japão ou Europa, desde que não tenham sido liberadas pela Anvisa em até 72 horas após o pedido. O simples fato de um pedido desta natureza ser encaminhado ao STF e acolhido em medida cautelar já é um sinal evidente de anormalidade na condução do Governo Federal.

A decisão de Lewandowski transfere para o Legislativo a faculdade de interromper a vigência extraordinária dos artigos das duas leis. Também é sintomática. Como as leis só valeriam enquanto durasse a decretação do estado de calamidade pública pelo Presidente da República fica patente a falta de confiança no discernimento de Bolsonaro para manter as medidas de prevenção e remediação da pandemia.

É exatamente por não termos um quadro de normalidade institucional que o não-alinhamento automático das agendas do Legislativo e do Executivo se torna necessário à proteção da democracia, do estado democrático de direito. É medida de precaução contra o avanço do arbítrio presidencial. Neste caso, o poder de agenda presidencial é desrecomendável. O que se aplica é a reconquista do poder de agenda pelo Legislativo.

Daí a importância capital da eleição para as Mesas Diretoras das duas Casas do Congresso Nacional. A estabilidade democrática depende da escolha pelos deputados e senadores para presidir a Câmara e o Senado dos candidatos mais comprometidos com a autonomia soberana do Legislativo, com o comando incondicional de agenda no plano político. Por isso nada têm de descabidas as exigências dos partidos de esquerda de que o candidato patrocinado por Rodrigo Maia (DEM-RJ),deputado Baleia Rossi (MDB-SP), se comprometa especificamente com determinadas questões fundamentais. Quais são? Fazer tramitar projetos de decretos legislativos, que têm o poder de anular atos do Presidente da República; pedidos de convocação de ministros, que determinam comprecimento compulsório para prestar contas à Casa parlamentar por seus atos, ao contrário do mero convite de praxe; pedidos de impeachment. Faz todo sentido compelir o futuro presidente da Câmara a examinar e fazer correr pedidos de impeachment. O engavetamento discricionário, do qual o próprio Rodrigo Maia abusou, não é razoável. Se for para ser arquivado, que o seja por deliberação nominal do plenário. Bolsonaro comete crime de responsabilidade serialmente. É preciso que, pelo menos, passe a considerar a possibilidade do impeachment como um fator possível de inibição da prática continuada de crimes.

O senadores deveriam seguir o mesmo caminho: formação de uma coalizão de oposição ao candidato dócil ao Planalto e escolha de um senador da mesma forma comprometido com a independência legislativa, para disputar a presidência da Mesa Diretora do Senado. No caso do Senado, a diferença é que o atual presidente, Davi Alcolumbre patrocina candidato de Bolsonaro. Logo, a coalizão será de oposição a Alcolumbre e ao ungido por ele e Bolsonaro.

O fortalecimento da agenda institucional apoiada por uma coalizão multipartidária e multi-ideológica em defesa da democracia é o caminho para restaurar na plenitude o papel essencial do Legislativo de fiscalização e controle dos atos do Executivo. Mais ainda, a eleição no Poder Legislativo com a participação dessas frentes democráticas, terá um efeito de aprendizado que pode levar a iniciativas similares para as eleições majoritárias de 2022.

Pin It

Mais recentes

22 Jul 2021
21 Jul 2021
09 Jul 2021
24 Jun 2021
18 Jun 2021
07 Nov 2020
24 Fev 2020
29 Out 2019
20 Ago 2019
24 Out 2017
28 Nov 2016
04 Mar 2016

Mais Artigos

Back to Top