• face
  • twitter
  • in

Antes de saber o resultado final das eleições americanas, há pelo menos três pontos que já ficaram claros. O mais importante é que a sociologia por trás do voto mostra uma sociedade bloqueada, em profundo impasse social. Uma metade extremamente conservadora e a outra metade progressista, com uma aba minoritária mais à esquerda. É o grupo que reelegeu Alexandria Ocasio-Cortez (Bronx, New York), elegeu Bernie Sanders (Burlington, Vermont) e Elizabeth Warren (8o Distrito, Massachusetts), em eleições anteriores. A pista que revelou este fator com maior nitidez foi o comparecimento sem precedentes recentes. Cidadãos que não costumam votar, foram às urnas desta vez, não para resolver o impasse, mas para aprofundá-lo.  A sociologia política deste impasse social é clara: eleições sempre muito apertadas; impossibilidade de largos consensos; maior probabilidade de governos divididos, sem maioria em uma ou em ambas Casas do Congresso. O governo Trump foi assim e será assim, se ele for reeleito. Se Biden ganhar, seu governo também será dividido. Em consequência, processo legislativo basicamente bloqueado (deadlocked) em todas as questões que dividem Democratas e Republicanos e elas são as fundamentais.

O segundo ponto é que as pesquisas não captaram esse fator sociológico determinante e continuaram a prever vitórias amplas. Na verdade, foi na margem que as pesquisas erraram. Se Biden for eleito, a diferença entre ele e Trump no voto popular será muito menor do que os 7 pontos percentuais previstos pelas médias das mais respeitadas pesquisas. Outro fator sociológico e demográfico que as pesquisas não conseguiram captar — e é muito difícil de ser apreendido adequadamente — é o efeito no voto da heterogeneidade dos latinos. Alguns exemplos. Na Flórida a maioria dos latinos é de cubanos e venezuelanos, que tendem para a direita. Há uma minoria de porto-riquenhos inclinada para os Democratas. No Texas, os latinos são mexicanos, sul-americanos (porção importante de brasileiros). Em Nevada, são mexicanos, porto-riquenhos, cubanos e sul-americanos. No entanto, eles são tratados como um grupo só, "latinos" ou "hispânicos". Os pesquisadores e sociólogos terão que desenvolver um método de agregação em grupos diferenciados e menos heterogêneos.

Não se pode, ainda, dizer que as pesquisas erraram totalmente. No quadro que analisei na véspera das eleições, acertaram a direção do voto em praticamente todos os estados mais disputados — ou seja, descontando os óbvios acertos nos estados claramente vermelhos ou azuis — com exceção da Flórida, em que a média dava empate ligeiramente favorável a Biden e a vitória de Trump foi mais folgada do que o previsto. Erraram em relação ao Senado, no qual os republicanos devem manter a maioria.

Pin It

Mais recentes

22 Jul 2021
21 Jul 2021
09 Jul 2021
24 Jun 2021
18 Jun 2021
07 Nov 2020
24 Fev 2020
29 Out 2019
20 Ago 2019
24 Out 2017
28 Nov 2016
04 Mar 2016

Mais Artigos

Back to Top