• face
  • twitter
  • in

A exigência constitucional de decoro para as autoridades não é um preciosismo das elites. É um limite democrático à convivência respeitosa. Autoridade sem decoro agride, em primeiro lugar, a instituição que representa. Quando o presidente da República perde o decoro, ofende a Presidência diretamente. Atitudes indecorosas como o presidente Bolsonaro tem adotado em público, difamando e caluniando a jornalista Patrícia Campos Mello, dando bananas aos repórteres cujos chefes submetem à humilhação de cobrir uma pantomima armada para claques e para despretigiar a imprensa, agridem a Presidência, atingem a democracia e o levam a perder o respeito da sociedade. Com exceção, é claro, dos seus seguidores fervorosos e dispostos a aceitar qualquer comportamento de Bolsonaro.

Se gosta de ser popular, o presidente deveria lembrar-se de ditos populares hiperconhecidos, "quem fala o que quer, ouve o que não quer", "quem com ferro fere, com ferro será ferido", "a pessoa é senhora do que pensa e escrava do que diz". Se ele não se dá ao respeito, perde o respeto. É só ver como ele trata adversários nas redes e como é tratado por eles. Tem nível de briga de botequim.

As grosserias presidenciais são uma forma de censura à imprensa, de intimadação de jornalistas e um grave crime de responsabilidade. O desrespeito ao decoro do cargo está capitulado entre os crimes de responsabilidade contra a adminstração pública, "proceder de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decôro do cargo".

Como temos um ministro da Educação que desconhece a língua pátria e sua gramática, é de se imaginar que muitos no governo sejam como ele. Vale dizer o que significa decoro. É compostura, comedimento, ter atitude respeitosa aos padrões de convivência civilizada entre pessoas, respeitar a si mesmo e aos outros.

O presidente e vários de seus ministros não se subordinam a esta atitude decorosa demandada pelas regras de convivência democrática e pela lei maior do país. O silêncio dos órgãos de vigilância constitucional diante desvios continuados de conduta constitucional pelo primeiro mandatário da República é inquietante. Significa que as instituições de freios e contrapesos estão em modo disfuncional para a democracia.

Para adultos maduros, o comportamento presidencial diante das câmeras é de constrangedor descontrole juvenil. Um diretor de colégio o chamaria para uma conversa disciplinar. No quartel, seria passível de medida disciplinar. E na democracia, quando é o presidente da República? Cabe representação ao Supremo Tribunal Federal, pedido de impeachment ao Congresso e as pessoas atingidas por ataques difamatórios podem processá-lo criminalmente junto à Suprema Corte, que pediria autorização à Câmara dos Deputados para julgá-lo pelos crimes contra a honra a ele imputados.

Nenhuma autoridade pode ser impune numa democracia. E, de fato, a Constituição só oferece imunidade ao Presidente da República por crimes praticados antes do exercício do mandato. Ele tem proteções especiais na lei, para que não se use a lei contra ele para desestabilizá-lo no cargo. Mas, a proteção tem limite. Ela não implica a prática flagrante de crimes. Neste caso, ele pode e deve responder pelos atos criminosos que comete no exercício do mais importante e respeitável cargo da República. Presidentes não estão autorizados a desrepeitar e ofender cidadãos. Podem ser responsabilizados por fazê-lo.

Não é apenas à instituição da Presidência que o presidente vem desrespeitando, por lhe faltar com o decoro. Tem, igualmente, ofendido a Federação, fazendo acusações sem provas a governadores, invadindo suas competências, desrespeitando o pacto federativo vigente.

O presidente já ultrapassou de muito os limites da convivência democrática. O silêncio e inoperância dos mecanismos de freios e contrapesos da democracia republicana indicam que as instituições já não funcionam bem. Há risco claro à democracia e ele só tem aumentado diante da inoperância dos mecanismos de defesa de que ela dispõe.

Girls Air Jordan
Pin It

Mais recentes

07 Nov 2020
24 Fev 2020
29 Out 2019
20 Ago 2019
24 Out 2017
28 Nov 2016
04 Mar 2016

Mais Artigos

Back to Top