• face
  • twitter
  • in

A vitória do populismo, principalmente de ultradireita, ultranacionalista, em vários países do mundo, que coincidiu com a eleição de Trump. de Salvigni e de Bolsonaro, foi tratada como manifestação de uma tendência de longo prazo, ou durável. A ideia traz embutida a noção de persistência da vantagem eleitoral dos populistas onde já ganharam e sua propagação por outros cantos. Mas, lancei a hipótese de que é uma onda e, portanto, passageira. Ela pode ocorrer, ainda, em países por onde não passou. Ondas vão e vem, dependendo das circunstâncias locais. As recentes eleições para o parlamento europeu, para as quais partidos de extrema direita tinha prognósticos muito positivos, mostraram, ao contrário, retração de uma parte deles e resultados bem mais modestos, para outra parte. As eleições para o parlamento grego, no domingo (8/7), que levaram à substituição do primeiro-ministro Alexis Tsipras, de esquerda, por Kyriakos Mitsotakis, do Nea Dimokratia (Nova Democracria), partido conservador liberal-democrático, também confirmam a hipótese da onda. Os partidos de extrema-direita foram quase eliminados da representação parlamentar.

O principal deles, o Laikos Syndesmos Chrysi Avgi, ou Aurora Dourada, nem passou pela cláusula de barreira. Teve 2,9% dos votos e não ganhou cadeiras no parlamento. O outro partido de ultradireita, o Elliniki Lysi (Solução Grega) passou a cláusula de barreira, com 3,7% dos votos e conquistou 10 cadeiras, 3%, do parlamento.

Com a economia andando de lado, os traumas da austeridade ainda duramente presentes e problemas sociais domésticos agravados pela imigração de passagem via Turquia, é notável que a maioria dos eleitores tenha se dividido entre a oposição conservadora liberal-democrática e a esquerda. O Nea Dimokatia conquistou a maioria parlamentar de 158 das 300 cadeiras (53%) com 44% dos votos. O Syriza, até então no governo, ficou com 86 cadeiras (29%) com 31,5% dos votos e será o pivô da oposição. A esquerda, no total, conseguiu 48,3% dos votos e 132 cadeiras (44%), com 4 partidos. Além do Syriza, o Kinima Allagis, herdeiro do tradicional social-democrata Pasok (8,1% dos votos e 22 cadeiras), o KKE, partido comunista (5,3% e 15), e o Mera25, do ex-ministro da Finança de Tsipras, Yannis Varoufakis, (3,4% e 9).

Esse resultado confirma os de outras eleições nacionais e nas recentes para o parlamento europeu, com retração da ultradireita. Não houve uma guinada à esquerda, até porque partidos progressistas com pensamento novo, como parece ser, por exemplo, o Mera25 grego, são ainda muito raros. A esquerda tradicional tem apresentado propostas sem sincronia com o momento que vivemos no mundo. Olham mais para trás do que para frente. Estão mais interessados em explicar as atribulações presentes, atribuindo-as à malícia dos outros, do que em compreender suas raízes estruturais e oferecer soluções inovadoras, apontando para a frente e que ajudem a mitigar os custos da transição para os mais desprotegidos. O que houve foi o retorno de parte do eleitorado de centro-esquerda ao seu veio habitual e a migração do voto de ultradireita para a centro-direita democrática. Um movimento auspicioso para a ameaçada democracia representativa.

Nike Air Max 200
Pin It

Mais recentes

07 Nov 2020
24 Fev 2020
29 Out 2019
20 Ago 2019
24 Out 2017
28 Nov 2016
04 Mar 2016

Mais Artigos

Back to Top