• face
  • twitter
  • in

No futebol, o jogo perigoso tem gradações de gravidade, mas sempre indica uma ação temerária, imprudente ou de alto risco para a integridade do outro. Não tenho dúvida de que o presidente Donald Trump usa e abusa do jogo perigoso nas decisões de política interna e externa. No caso mais recente — e escabroso — de separação forçada de pais e filhos detidos por imigração ilegal, Trump levou ao limite seu jogo perigoso, aproximou-se da agenda dos setores mais extremistas da sociedade, assumiu riscos muito altos de danos à integridade física e psicológica. Prender imigrantes como se fossem criminosos comuns, separá-los de suas crianças, detidas em gaiolas, é mais que uma afronta humanitária, é um ato de discriminação violento e supremacista. Mas não é necessariamente uma atitude derivada da adesão à ideologia dos neo-nazistas ou dos supremacistas brancos.

Trump decide por impulso, como ele mesmo tem reconhecido. Esses impulsos revelam, no caso, sentimentos de repulsa e desprezo pelos “não-americanos” que se aproximam perigosamente desses valores. A decisão impulsiva é, por definição, uma ação realizada com um grau inadequado de deliberação, previsão e autocontrole. Ela revela incapacidade de controle emocional e superestimação de sua competência e da qualidade dos julgamentos que faz. Em estudo clássico da psicologia, Justin Kruger e David Dunning explicam que as pessoas impulsivas não apenas chegam a conclusões erradas e fazem escolhas infelizes, mas não têm a capacidade cognitiva de reconhecer seus erros. São pessoas emburradas, com vocabulário pobre, agressivas e que superestimam suas habilidades e seu desempenho. A linguagem corporal de Trump, seus tuítes e suas reações às críticas na imprensa e a pessoas que o contrariam confirmam essa personalidade impulsiva do presidente. É, na minha opinião, uma explicação satisfatória para seu comportamento político, sempre de alto risco e com elevado teor de agressividade.

A rejeição extremada dos imigrantes, embora impulsiva, satisfez tanto as expectativas dos supremacistas brancos, que consideram os não-brancos inferiores moral e intelectualmente, mas também às dos ultranacionalistas que desejam uma nação exclusivamente para os americanos brancos. São todas manifestações de racismo, mas eles se julgam diferentes. No caso dos supremacistas, o âncora alt-right da Fox News, Brian Kilmeade, sintetizou esse sentimento de superioridade ao justificar a decisão de Trump. No Late Night Show com Steven Colbert, ele disse “goste-se ou não, essas não são nossas crianças, não é como se [Trump] estivesse fazendo isso com pessoas do Texas ou de Idaho”. Os supremacistas brancos começaram discriminando negros e judeus, mas hoje vêem com igual repulsa latinos, asiáticos e 'muçulmanos’, isto é qualquer um oriundo dos países árabes.

O American Nazi Party explica no seu site que não é supremacista, mas separatista “nós acreditamos que a separação racial é o melhor para todos, brancos e não-brancos”. Eles gostam de resumir sua ideologia, com “14 palavras”, “nós precisamos garantir a existência de nosso povo e um futuro para crianças brancas”. Uma dissidência dos “nazi”, o Movimento Nacional-Socialista, diz que “toda imigração não-branca precisa ser evitada. Nós exigimos que se determine a todos os não-brancos residindo na America que deixem a nação imediatamente e retornem à sua terra de origem: pacificamente ou à força”

Esse é um dos perigos da política anti-imigrantes de Trump. Ela unifica a alt-right, os neonazistas e os grupos de ódio racial tradicionais, como a Klu Klux Klan. Esse nacionalismo extremado, como tem mostrado o politólogo Lawrence Rosenthal, da Universidade Berkeley, tem agora alguém no comando da Casa Branca que fala sua linguagem. A própria visão econômica de Trump, se assemelha muito à concepção de uma economia autárquica, da tradição da direita, inclusive da doutrina econômica original do fascismo e do nacional-socialismo (nazismo). O nacionalismo branco, ao contrário, do racismo genérico, busca uma nação branca homogênea. Na alt-right, as pessoas discordam de como chegar a esse objetivo, mas concordam que esse é o objetivo de longo prazo, explica o politólogo da Universidade do Alabama, George Hawley, autor do livro Making Sense of the Alt-Right (Entendendo a Alt-Right).

O perigo aumenta exponencialmente porque as atitudes de Trump têm apoio na maioria republicana que se ressente da decadência econômica de suas indústrias e de seus distritos tradicionais. A maioria das facções da extrema-direita americana defende a melhoria de condição dos trabalhadores blue-collar, os operários das manufaturas tradicionais, do setor metal-mecânico. Grande parte dessas correntes adota alguma forma de populismo econômico. Nas pesquisas recentes de popularidade presidencial, Trump tem desaprovação de 80% entre Democratas e de 65% entre Independentes. Mas, é aprovado por 85% dos Republicanos.

Nessa identificação dos eleitores Republicanos com Trump interfere outro clássico da psicologia social, a identificação emocional que suplanta a avaliação objetiva. É o mesmo tipo de sentimento que faz as pessoas apaixonadas por um time não admitirem a correção de um pênalti contra ele ou que alimenta a intolerância entre igrejas. Nesse caso, as pessoas são até capazes de reconhecer algo inadequado em seu time ou igreja, mas tendem a negar-lhe relevância.

Apoio emocional a uma personalidade tão controvertida tende a gerar oposição emocional em contrapartida. Numa sociedade polarizada, esse confronto emocional incendeia a radicalização. Trump assume o risco de dividir ainda mais profunda e radicalmente a sociedade de seu país, levando-a ao limiar da violência, com efeitos desestabilizadores sem precedentes pelo menos desde os anos de 1960.

Artigo publicado originalmente no Blog do Matheus Leitão no G1: https://g1.globo.com/politica/blog/matheus-leitao/post/2018/06/24/o-jogo-perigoso-de-donald-trump.ghtml

Pin It

Mais recentes

22 Jul 2021
21 Jul 2021
09 Jul 2021
24 Jun 2021
18 Jun 2021
07 Nov 2020
24 Fev 2020
29 Out 2019
20 Ago 2019
24 Out 2017
28 Nov 2016
04 Mar 2016

Mais Artigos

Back to Top