• face
  • twitter
  • in

O quadro inicial de pré-candidaturas mostra rivalidades em poucos campos e pouca opção para uma terceira via real. A terceira via, até agora, é apenas uma miragem que encanta os arrependidos por terem votado em Bolsonaro. Um nome inventado para dourar a ideia de que parcelas da elite e da classe média alta aceita qualquer um, desde que não seja nem Lula, nem Bolsonaro. Esta parcela do eleitorado votou em Bolsonaro em 2018 e se arrependeu. São eleitores propensos a acreditar em ilusões. Se arrependeram da miragem da eleição passada e estão prontos a seguir atrás de outra.

Até agora, pelo menos, estão se preparando para a pré-campanha o PSDB (desde que consiga chegar ao final das prévias); o MDB, que deve apresentar a senadora Simone Tebet; o partido Novo, com Luiz Felipe D'Ávila; e o Cidadania, com Alessandro Vieira. Já estavam candidatos Bolsonaro, ainda sem partido, Lula pelo PT e Ciro Gomes, pelo PDT.

Os dois candidatos do PSDB, em 2018, na disputa para o governo de seus respectivos estados, estiveram com Bolsonaro. Doria, depois, entrou em choque com Bolsonaro. Mas, continuou na centro-direita. Leite, apenas se disse arrependido do apoio. Mostrou-se incapaz de admitir que a democracia é a prioridade, acima da eficiência do estado. Seu ideal é de uma tecnocracia políticamente iliberal e liberal na economia, não a democracia representativa. O desafio do PSDB vai muito além de conseguir um candidato viável para chegar ao segundo turno e superar as rachaduras que ameaçam o partido estruturalmente. Em 2018, seu candidato a presidente, Geraldo Alckmin, teve uma votação irrisória e o partido elegeu uma bancada anêmica.

Moro, mais que apoiar, foi parte do governo bolsonaro. Ele jamais saiu do campo da direita. É o que é. Continua no mesmo espaço ocupado por Bolsonaro, sem todo o extremismo. Portanto, se tiver êxito em sua candidatura, dividirá com Bolsonaro os votos desse campo direitista e extremo-direitista. Se for realmente bem sucedido, pode tirar Bolsonaro do segundo turno mas, não necessariamente, chegar lá.

Luiz Felipe D'Ávila, tentará ocupar o espaço do liberal clássico, historicamente vazio no Brasil. Mas, seu partido, ficou com Bolsonaro, em 2018, e seu único governador eleito, Romeu Zema (MG), é alinhado ao governo federal. As preferências concretas o posicionam na direita, portanto no território que o bolsonarismo ocupou nesses três anos.

Alessandro Vieira é difícil de definir. Destacou-se pela participação intensa na CPI da Covid, portanto de oposição a Bolsonaro. Aproveitou a controvérsia em torno da PEC dos precatórios, para apresentar uma alternativa muito mais apropriada, em associação com os senadores José Anibal (PSDB,SP) e Oriovisto Guimarães (Podemos,PR). Também adotou atitude de oposição ao orçamento secreto, ao lado do Podemos e de parte do PSDB. Ainda não está muito clara a sua efetiva posição no espectro político-ideológico, mas, provavelmente, estaria na centro-direita, entre o PSDB e o Podemos.

Ciro Gomes, tem tentado se mover para o centro, quase centro-direita, para se posicionar como alternativa a Lula. Mas não abandonou seu projeto nacional-desenvolvimentista, que o define como parte do campo dominado pelo PT. Não precisaria tentar se deslocar tanto para o centro. Se a ideia é rivalizar com Lula, poderia fazer isso da centro-esquerda.
Há muita crítica à esquerda a fazer ao PT. Para isso, seria mais importante atualizar sua visão do mundo e da economia e pensar mais nos desafios postos ao país para o restante do século XXI, do que adotar posturas mais apropriadas à direita. Já perdemos quase um quarto do século enrolados em nossos próprios descaminhos e não surge liderança capaz de encontrar o rumo certo do progresso social, econômico, político e ambiental para o país. Um combo indispensável para seguir adiante neste século.

Simone Tebet é herdeira do MDB clássico, ou autêntico, do qual seu pai, Ramez Tebet foi uma liderança importante. O partido, de tão mutante, quase não guarda nenhum traço do DNA original. Tem um bom pedaço hoje no território do centrão. Simone Tebet é um dos pontos de contato com esse passado mais honroso e se destaca como única representante do campo liberal-democrático. Até agora somente ela poderia reivindicar legitimamente estar em posição equidistante a Lula e a Bolsonaro. Vai precisar intensificar sua exposição pública, criar novos fatos políticos, para tentar melhorar sua pesquisa nessa pré-campanha. Quem não alcançar a primeira fileira de pré-candidatos, pelo menos na faixa intermédia dos dois dígitos na pesquisa, até o carnaval de 2022, dificilmente conseguirá manter de pé a candidatura. A não ser que um início surpreendente de campanha leve a candidatura para uma das três posições superiores.

Logo, não temos, exatamente vários candidatos disputando a primazia de representar o que se tem denominado de terceira via. Temos um engarrafamento na direita e centro-direita, com Sérgio Moro, na mais posição mais próxima à do perfil ideológico de Bolsonaro. Todos, portanto, ocupando um espectro de alinhamentos na área de votação preferencial de Bolsonaro. Um candidato de centro-equerda, Ciro Gomes, na jurisdição eleitoral ocupada por Lula. Apenas Simone Tebet poderia ser considerada realmente uma candidata de centro, portanto equidistante de Lula e Bolsonaro.

A escolha de uma pessoa de convicções democráticas comprovadas e visão social aguçada para ocupar a presidência será crucial para nosso destino nesse perído de turbulência econômica, pandêmica e política. O sistema é presidencialista, porém de coalizão. Para conseguir remendar o país e iniciar a recuperação dos danos causados por Bolsonaro, em todas as dimensões da vida nacional, esta pessoa precisará de governabilidade estável. Logo de uma coalizão com o mínimo de heterogeneidade possível e o menor número necessário para forma a maioria, para que seja gerenciável. Este desafio é de todos os partidos. Terão de lutar duramente para aumentar suas bancadas. Nesta legislatura, as bancadas foram miniaturizadas e não dão liga para uma coalizão viável. Este desafio é tão sério para nosso futuro democrático quanto o de eleger o ou a presidente.

Pin It

Subcategorias

Mais recentes

22 Jul 2021
21 Jul 2021
09 Jul 2021
24 Jun 2021
18 Jun 2021
07 Nov 2020
24 Fev 2020
29 Out 2019
20 Ago 2019
24 Out 2017
28 Nov 2016
04 Mar 2016

Mais Artigos

Back to Top