• face
  • twitter
  • in

Os partidos no Brasil mudam de nome, mas raramente mudam de atitude. Resistem a rever o conteúdo de sua ação política. O PSDB nunca cogitou de mudar o nome e parece ter decidido não mudar de atitude ou conteúdo da ação política para valer. Preferiu não enfrentar suas contradições internas, numa disputa democrática pelo comando político do partido, e novamente conciliar posições que, aos olhos do eleitorado, podem ser irreconciliáveis. A pergunta fundamental que todos no partido se recusam a responder diretamente é: o que fazer com Aécio Neves, os ruralistas e os fisiológicos do partido? Sem responder a essa questão estratégica central, o PSDB permanecerá no estado gelatinoso em que se encontra. No calor eleitoral, pode se dissolver em suas própria contrariedades.

Há muito, o PSDB abandonou sua posição social-democrata. Não é pecado. Entre suas alas que pensam, domina hoje uma orientação social-liberal, perfeitamente legítima. É o partido do social-liberalismo brasileiro. Mas tem uma banda larga que não pensa, só age por interesse próprio ou espúrio.

O acordo interno e o posicionamento do partido são defendidos em nome das virtudes de ser o centro. No caso do Brasil atual, o centro pode definitivamente não ser a posição mais virtuosa. Primeiro, há muitos disputando o centro. Essa multiplicidade de versões do que seria o centro termina por desmentir a todas elas. Segundo, a virtude do centro não está simplesmente em ser a posição intermédia. Ela depende das posições e dos valores que o centro defende. Terceiro, a própria noção de "virtude" ou "virtuosa", como ocorre com a noção de racionalidade, pode justificar escolhas nada recomendáveis do ponto de vista o interesse coletivo.

O presidente Temer e seu grupo, por exemplo, estão articulando um centro tipo "centrão". Lançaram como balões de ensaio os nomes do ministro da Fazenda Henrique Meirelles e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Apostam que a melhora da economia poderia favorecer o governismo. Afirmam que esta seria a posição de centro. Estariam até dispostos a aceitar que o candidato desse centrão fosse o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, desde que o PSDB controlasse aqueles que desejam abandonar o governo. A esperança de que a melhoria da economia beneficie uma candidatura governista sem disfarces pode se frustrar. Com a rejeição da população à prática política vigente e à corrupção, Temer pode descobrir que "não é a economia, é a política...".

Nos termos palacianos, o centro é o governismo. É evidente que, sem outras graduações, dadas as pré-candidaturas postas, Bolsonaro ocuparia a posição de direita. O PT é visto como a posição de esquerda. Logo sobraria ao governismo autoproclamar-se como o centro. Poderia ser identificado como o centro nessa hipótese. Mas um centro vicioso, como tentarei argumentar.

O caso do PSDB, é curioso. As definições para o partido e para o país se equivalem. Tanto no partido, quanto no país, a virtude de um centro reformista estaria em romper politicamente com o statu quo. O partido, vale lembrar, até a convenção, continua sob o comando do senador Aécio Neves. Ele encarna o statu quo. Confrontou o senador Tasso Jereissati e impôs em seu lugar outro vice, o ex-governador Alberto Goldman, que passou a defender, com veemência oratória, o acordo interno e uma espécie de statu quo mitigado pela eleição do governador Alckmin para a presidência do partido. Alckmin dificilmente não será o candidato tucano à presidência. Com apoio do ex-presidente Fernando Henrique e de boa parte da cúpula fundadora do partido, o acerto proposto por Goldman prevaleceu. O governador Alckmin se apressou em definir uma chapa que encabeçaria, como a alternativa do centro e, para viabiliza-la, propõe uma aliança com o DEM e o PMDB. Mas terá virtude esse centro, ainda que aparentemente distante do governismo? Ou será, ao contrário, uma versão muito piorada da "continuidade sem continuísmo", com a qual José Serra disputou a presidência com Lula, em 2002, querendo manter-se distante do governo Fernando Henrique?

No quadro político atual, em que o PMDB controla um centrão voltado para assegurar a impunidade dos crimes de corrupção política e para a preservação do conluio oligárquico, intrinsecamente fisiológico e destituído de qualquer barreira moral, não basta afastar-se amigavelmente do governo. É preciso romper com o governo e com o grupo que domina o PMDB. É, aparentemente, o que Tasso Jereissati propunha, contra a posição da facção aliada a Aécio Neves. Sem a ruptura com o PMDB, qualquer proposta política de centro não passará de uma versão da fórmula de Tancredi, celebrizada por Lampedusa em seu magistral O Leopardo, para as coisas ficarem com estão, é preciso que mudem. No caso, trocar o ocupante peemedebista do palácio do Planalto, por um tucano. Se o eleitor concordar e eleger o candidato do PSDB e, além disso, também não rejeitar o PMDB nas eleições legislativas, este último continuará sendo o pivô de qualquer coalizão de governo e as coisas mudarão, para ficarem como estão.

A virtude do centro, está no conteúdo que seu ocupante imprimirá ao processo político e às políticas públicas. Imaginemos que haja duas réguas para medir o "reformismo" ou o grau e o tipo de mudança que se pretende, como na figura abaixo. No primeiro caso, a régua se refere ao dilema do partido. A posição de "direita" ou, digamos, "-1", seria deixar tudo como está. A posição de "esquerda", ou digamos, "+1", seria confrontar os continuístas, eliminar os gravemente envolvidos em casos de corrupção e refundar o partido, seja como social-democrata, seja como social-liberal. A posição de centro, ou "0", corresponderia a acomodar e mudar, sem mudar o essencial. Ganhou, aparentemente, a posição de centro. O centro teria peso "0" de virtude, logo um centro sem virtude.

PSDBdiagrama

O segundo caso, seria do país. A posição "governista", a "direita", representaria a manutenção do statu quo oligárquico-fisiológico e a impunidade dos culpados por corrupção política. Ocuparia a posição "-1", na régua. A posição à "esquerda", seria de ruptura com o governismo e o conluio oligárquico, logo "+1". O centro seria, novamente, aquele que acomoda e muda, sem mudar o essencial, "0", logo o centro sem virtude.

Resta saber se o eleitor se contenta com a opção por mudar, sem mudar no essencial ou se quer mais virtude na política.

Pin It

Mais recentes

24 Out 2017
28 Nov 2016
04 Mar 2016

Mais Artigos

Back to Top